Exército de Israel diz ter matado por engano 3 reféns israelenses sequestrados pelo Hamas

Israelenses Yotam Haim, Samar Talalka e Alon Shamriz (da esquerda para a direita) sequestrados pelo Hamas e mortos por engano por tropas israelenses em 15 de dezembro de 2023. — Foto: Foto: Divulgação/Exército de Israel

O Exército de Israel afirmou nesta sexta-feira (15) que suas tropas mataram por engano três reféns israelenses que estavam em poder do Hamas. Eles haviam conseguido fugir do grupo terrorista e tentavam chegar a Israel, ainda segundo as Forças Armadas israelenses.

“Durante os combates em Shejaiya, uma força das Forças de Defesa de Israel identificou erroneamente três reféns israelenses como uma ameaça. Como resultado, a força disparou contra eles e eles foram mortos”, declarou, em comunicado, um porta-voz do Exército.
Os reféns foram mortos durante uma operação de tropas israelenses em Shejaiya, bairro da Cidade de Gaza, no norte do território palestino. Segundo o porta-voz do Exército israelense Daniel Hagari, eles conseguiram escapar do cativeiro e caminhavam em direção a território israelense.

Os três, ainda segundo o governo israelense são, cidadãos israelenses e haviam sido sequestrados em 7 de outubro pelo grupo terrorista:

O israelense Yotam Haim, sequestrado no kibutz de Kfar Gaza;
Samer Talalka, sequestrado no kibutz de Nir Am mas que era residente da cidade beduína de Rahat;
Alon Shamriz, que também vivia em Kfar Gaza e era filho de iranianos, segundo o jornal “The Israel Times”.
Os corpos foram levados pelos soldados a território israelense, onde foram identificados.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu desculpas às famílias e disse que aprendeu “lições necessárias”. Mas afirmou que incursões seguirão.

“Mesmo nesta noite difícil, curaremos as nossas feridas, aprenderemos as lições necessárias e continuaremos com o nosso esforço supremo para devolver todos os nossos reféns para casa em segurança”, disse Netanyahu.
Em nota, a Casa Branca tratou o caso como um “erro trágico” cometido pelo exército israelense.

“Não temos uma visibilidade perfeita de como exatamente essa operação ocorreu e como esse erro trágico foi cometido”, afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby.

Em nota, as Forças de Defesa de Israel chamaram o caso de “incidente” e disseram que aprenderam ‘lições’ com o episódio, mas afirmaram que seguirão em busca dos reféns ainda em poder do Hamas.

“Enfatizamos que esta é uma zona de combate ativa na qual ocorreram combates contínuos nos últimos dias. Foram aprendidas lições imediatas do evento, que foram transmitidas a todas as tropas em terreno. Expressamos profundo pesar pelo trágico incidente, e enviamos às famílias as mais sinceras condolências. Nossa missão nacional é localizar os desaparecidos e devolver todos os reféns para casa”, disse o Exército, em comunicado.

O Exército de Israel não havia informado, até a última atualização desta reportagem, onde exatamente estavam os reféns no momento em que foram alvejados pelos soldados – há relatos de que a maior parte dos reféns está em túneis utilizados pelo grupo terrorista.

Segundo o governo de Israel, 138 reféns ainda estavam sob poder do Hamas – contando com os três israelenses mortos por engano. Todos foram sequestrados há dois meses, desde que o grupo terrorista invadiu o sul de Israel, matando outras 1.402 pessoas.

O episódio foi o pontapé inicial para a guerra que Israel atualmente trava com o Hamas na Faixa de Gaza.

Mais de cem reféns foram libertados durante o período vigente do acordo entre Israel e Hamas no fim de novembro, no qual o governo israelense fez uma trégua nos bombardeios e, em troca, os terroristas soltaram prisioneiros.

Após a pausa, o Exército israelense retomou os bombardeios e a operação por terra em Gaza.

Fonte: Por g1

Parceiros e Clientes

Entre no grupo Rádio Tucunaré no Whatsapp e receba notícias em tempo real.
Feito com muito 💜 por go7.com.br

Usamos cookies em nosso site para fornecer uma experiência mais relevante, lembrando suas preferências e visitas repetidas. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com a utilização de TODOS os cookies. Leia nossa Política de Privacidade na íntegra.