Taxa básica de juros do país, a Selic, deve ser mantida em 10 e meio por cento

Taxa básica de juros do país, a Selic, deve ser mantida em 10 e meio por cento.

Pelo menos essa é a aposta dos principais bancos, para a reunião do Comitê de Política Monetária, o Copom, do Banco Central, que começa nesta terça-feira.

Serão dois dias de conversas e análises, antes da tomada de decisão de baixar ou não a Selic.

No início de 2023, ela estava em 13,75 por cento ao ano. Mas, de agosto pra cá, sofreu sete cortes seguidos para chegar em 10 e meio por cento.

Consequência da melhora da economia, com uma inflação que estava mais controlada e menores taxas de juros de longo prazo no exterior, por exemplo.

Quando a Selic cai, fica mais fácil e mais barato financiar a compra da casa própria ou do carro novo, por exemplo, e a economia esquenta.

Porém, o aumento do consumo pode puxar a inflação e a inadimplência pra cima.

O fim dessa sequência de cortes na Selic, como espera o mercado financeiro, está ligado, por exemplo, à preocupação de especialistas com a meta fiscal.

Ou seja, com a possibilidade de o Brasil gastar mais do que arrecada, neste ano, o que afastaria os investidores, principalmente se a taxa estiver muita baixa.

Sem falar no aumento da inflação, nas últimas semanas, inclusive por conta da alta do dólar e dos problemas na produção agropecuária no Rio Grande do Sul, após as fortes chuvas.

O anúncio sobre a redução ou não da Selic deve sair no fim da tarde de quarta-feira.

Fonte: Umberto Ferretti

Parceiros e Clientes

Entre no grupo Rádio Tucunaré no Whatsapp e receba notícias em tempo real.
Feito com muito 💜 por go7.com.br

Usamos cookies em nosso site para fornecer uma experiência mais relevante, lembrando suas preferências e visitas repetidas. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com a utilização de TODOS os cookies. Leia nossa Política de Privacidade na íntegra.